Arte porque Amo com Bebel Franco

2 Flares 2 Flares ×
Bebel Franco

Bebel Franco

Dia desses tava pensando com os meus botões o tanto que curto gente criativa, original, que se joga e eis que surge uma mensagem no meu face da querida Maria Pilar, do Centro de Arte e Design:

“Bom dia, Fabi! Gostaria muito se você pudesse dar uma palavra no curso de Decoração de Interiores – sobre estética, personalidade e misturas”.

Ao mesmo tempo em que fiquei feliz e honrada com o convite, comecei a pirar a caçuleta com o que eu ia falar, mostrar, com as referências… E é claro que eu poderia ficar horas falando de mim, da minha casa e blá blá blá… Sou leonina, pensa? Mas o mundo não gira somente ao redor do meu umbigo e resolvi que na minha mini-palestra eu ia mostrar o que me inspira a ter uma casa tão fora do dito convencional e com apelo criativo. Não, não sou modesta. Sou leonina, lembra?

Comecei assistindo pela quarta vez ao maravilhoso documentário “O Olhar tem que Viajar”, sobre a ex editora-chefe da Vogue americana, Diana Vreeland, e entrevistei as artistas plásticas Bebel Franco e Anita Damas e também a estudante de design, Helena Bello.

E deste material que estou preparando para a próxima terça-feira (24) saiu muita coisa legal, tipo as três perguntas que fiz às minhas entrevistadas. Sendo assim, resolvi criar aqui no bloguinho o Arte Porque Amo – sessão que vai falar das mentes criativas que me inspiram. A nossa ‘criadora cabeça’ de hoje é a carioca Bebel Franco, artista plástica formada em moda pelo Studio Berçot em Paris.

Atualmente, Bebel assina estampas para Fernando Jaeger Design, Atelier Lá na Ladeira, Papel Craft, H.Stern Home, TodaBossa Design, Dohler, Tok & Stok e Tatuí Design. Em março de 2012 levou sua arte mais longe ao criar, a convite da Macy’s, rede líder de lojas de departamento nos EUA, o cartaz conceito do evento anual de primavera Macy’s Flower Show.

Bebel, além de desenvolver um trabalho super conceituado, mora numa casa UAU!, que tem tudo a ver com o meu cafofinho.  Quando a procurei para um bate-papo, ela foi extremamente fofa, atenciosa e fez questão de trocar ideias, me enviar as fotos e se deixar alugar por esta maluca. Bebel, muito obrigada, e quando o teu banheiro discoteca estiver pronto, me chama que vou correndo fazer passinho coreografado contigo, ao som da Donna Summer!

De Fabi para Bebel:

Você acredita que, com o tempo, aprendeu a ser criativa ou isso é uma qualidade nata?

Acredito que a criatividade é uma qualidade nata, sim. Mas com o tempo, falo no meu caso, eu fui aprendendo a desfrutar e aproveitar mais dessa qualidade com os anos. A gente nasce criativo mas nem sabe o que é isso, não se auto-denomina criativo, aos poucos você vai sendo reconhecido como tal, pelos pais , familiares, amigos, professores… Daí um dia você se percebe criativo e começa a usar com consciência essa qualidade. Para mim a maturidade foi essencial para tirar o máximo de proveito da minha criatividade, eu fui ficando cada vez mais focada e dedicada. Como diz o Picasso: “A inspiração existe, mas tem que te encontrar trabalhando.” Diga-se de passagem que, para mim o criativo não se restringe à área das artes.

O que a motiva a criar?

Praticamente tudo: estar viva, estar criando é o meu estado constante, criar é o meu meio de comunicação com as pessoas, com o mundo. Eu crio ou penso em criar a todo instante, estou sempre pensando em coisas novas, em novas soluções para o que já fiz.

A noite eu sonho com formas e cores , desenho enquanto durmo, sou daquelas pessoas que acordam e pulam da cama para fazer logo as coisas. Amo o que eu faço e as possibilidades são infinitas …

Queria a garantia de uma vida criativa e saudável até o fim, saber que vou poder tirar o máximo de proveito da minha vontade e tempo.

Como seria um ambiente legal para você morar – qual o estilo, tipo de mobiliário, cores, texturas… Enfim, o que faria parte deste lugar?

Bem, eu adoro a minha casa-atelier mutante , digo mutante porque ela vira e volta muda , compro algo novo, mudo de ideia, mudo de ânimos, e ela vai me seguindo …

Mas bem, é claro que eu adoraria uma casa maior, queria 400 metros quadrados de espaço amplo e mais paredes!!!! Assim poderia realizar mil desejos, uma sala de jantar com o teto forrado de pratos kitsch! Teria uma Branca de Neve com os 7 anões de jardim rodeando a minha televisão na sala, um banheiro discoteca com direito a luzes e globo – tomar banho ouvindo Donna Summer!

Queria um balanço no meio da sala! Queria um sofá com uma boa mesa e uma estante cheia de livros na minha cozinha integrada com a sala. E é claro que, para ter tudo isso, teria que ter mais dinheiro, aproveitaria para comprar muitas obras de artes de artistas que amo e admiro. Faria, por assim dizer, um belo de um upgrade. São tantos, tantos desejos e mimos! Mas enfim, não se pode ter tudo e eu enquanto isso me divirto com o que eu tenho. Em dezembro, por exemplo, assim que eu voltar de uma viagem de um mês a Paris, vou fazer uma mega colagem na parede que fica atrás da minha mesa de jantar, já ando sonhando com ela. Mas preciso de uns rolos de papéis de parede variados para fazer essa bagunça. Então, tenho que esperar até lá…

As fotos da casa de Bebel foram roubartilhadas do lindo Decorviva, pois as que ela me enviou não abriam! hi hi hi.

Para quem quiser saber mais sobre o trabalho da artista carioca, clica lá: http://www.bebelfranco.com

2 Flares Facebook 0 Google+ 2 Twitter 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 2 Flares ×

4 comments

Deixe uma resposta